sábado, 19 de março de 2011

Por um minuto de silêncio.


É tanta correria pra lá e pra cá, que me questionei qual realmente era a verdadeira razão para estarmos aqui. O conceito de pessoa bem sucedida pra mim é relativo. Não sei se passarmos a maior parte do nosso tempo se dedicando ao futuro nos fará mais feliz. Ás vezes tenho a impressão de que o mundo não te dá tempo pra viver o presente.
Mesmo que ás vezes eu deseje um dia de 36 horas, tenho a plena certeza de que se tivéssemos, passaríamos todo o tempo aproveitando cada minuto para se ocupar mais.  Ocupando-se com obrigações, é claro. Ocupando-se com o que tem de ser feito. Ocupando-se para o mundo, e nem tanto pra você. Ocupando-se em buscar a tal qualidade de vida que se espera ter algum dia.
O engraçado de tudo isso, é que não somos nós quem escolhemos se gostaríamos de ser assim, tão ocupados, e tão fora do presente, mas sim a vida. Os outros homens. E suas novas tecnologias. De repente, assim mesmo, de repente, vivemos em um ritmo de vida tão acelerado e tão repentino, que ás vezes tenho a total convicção de que a cada dia se acelera mais. Não sei ao certo se o preço de toda essa informação do século nos tornará mais sábios, ou mais cansados.
Jogados na selva, saímos por aí em busca de um lugar ao sol. Um espaciosinho que seja na areia. E na maioria das vezes nem é pra brilhar, é só pra se aquecer. No fim das contas passamos nosso tempo procurando estabilidade, reconhecimento, e qualidade de vida. No fim das contas é mera sobrevivência. É só o preço da informação.
Será que nós seres humanos afinal de contas estamos aqui pra isso? Para vivermos uma vida onde sobrevivência é a lei. Por que não se agradar com coisas que realmente gostamos de fazer? Ou que realmente seja da nossa vontade fazer? 
Volto a dizer que pessoa bem sucedida pra mim é algo totalmente relativo. Todos nós sabemos que não adianta nada chegar no fim com os bolsos cheios e o coração vazio. Talvez uma carreira bem sucedida, não adiantaria de nada se não houvesse pessoas por quem se preocupar, pessoas das quais se pode retornar. Talvez seja a hora de se usar o pouco tempo presente sendo feliz, nem que seja por um minuto dos curtos dias corridos.
Tá valendo ser feliz agora também, sem dar deixar tudo pro amanhã. Se dar o tempo pra se fazer o que realmente se gosta de fazer.

Sandy Quintans

2 comentários:

  1. oi
    meu nome é lulu
    estou seguindo o seu blog
    segue o meu
    http://quantotempootempotem.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá Sandy!
    Tá sumida! Estudando muito?E a carteira?
    Tenho contado algumas novidades do Pedro no meu blog, dê uma olhadinha!
    Beijinhos

    ResponderExcluir